Forma de apresentação dos agentes de força de segurança perante a sociedade- tatuagens visíveis e não visíveis no corpo

Atualmente os jovens e menos jovens tatuam-se das mais diversas formas, e nos mais diversos locais do seu corpo. Bem, considero uma liberdade individual de ilustrar o seu corpo, com desenhos e cores de discutível gosto. Não critico! Relativamente a agentes de segurança, seja PSP ou GNR, e até alguns militares, sou da opinião que a permanência das tatuagens deva ser reavaliada, mediante critérios coerentes e objetivos de área do corpo abrangida, tipo de desenho, estética, apelo a sentimentos de caráter negativo, etc. Não me parece correto que áreas escondidas do corpo e cobertas pelo uniforme ou pelo vestuário, possa ser um ataque ou estímulo a quaisquer comportamentos desviantes. Sugiro que estes procedimentos sejam muito criteriosamente analisados e, no acto da admissão dos cidadãos em tais forças de segurança ou militares, seja cabalmente esclarecido sobre estes aspetos, para que posteriormente não haja lugar a decisões contrárias, por ambas as partes.

Cordialmente e com respeito,
Jorge B. Gomes

2020-09-26

Melhoria do sistema de vigilância e prevenção da floresta portuguesa

Todos os anos somos confrontados com os fogos devastadores que assolam o território português. Inicia-se a época dos fogos florestais com promessas de mais investimento, mais prevenção e mais vigilância. Terrmina-se essa época com extensas áreas ardidas e mortes, além dos prejuízos do património das populações. Será que isto é um mal intrínseco, e que não conseguimos ultrapassar esta maldição? Sugiro que um melhor sistema de vigilância e prevenção seja implementado no território nacional, que promova cooperação, introdução de novos planos distritais, readequação dos recursos, melhoria do sistema de comando, controlo, comunicações e informação e todos os demais aspetos inerentes. Não temos que viver continuamente com esta adversidade.
Às entidades responsáveis,
Meus cumprimentos

Jorge B. Gomes

2020-09-26

Sistema judiciário e judicial a funcionar- É isso que os cidadãos exigem a bem da justiça e da sociedade

Temos vindo a assistir de há alguns meses a esta parte, à investigação e condenação de personalidades da sociedade portuguesa, sejam juízes, políticos ou militares, bem como outra figuras ligadas ao desporto. Não pode haver setores da sociedade ou dos vários quadrantes profissionais, que se sintam ilesos e acima da justiça. Se existem comportamentos e atos ilegais haverá que investigar e punir, quando a tal houver lugar. O fundamento de que a justiça se aplica a todos deverá ser a pedra basilar, sob pena da sociedade mais pobre e trabalhadora não entender o sistema em que águas turvas muitas vezes se movem. A bem de Portugal e dos portugueses. Sugiro que a justiça seja dotada de meis humanos, financeiros e tecnológicos adequados para este combate. Que a classe política legisle e promova estas ações em conjugação com todos os intervenientes.
A bem de Portugal e dos portugueses

Jorge B. Gomes

2020-09-26

Praxes académicas (Universidade de Coimbra)- Manter ou cancelar este ano sendo ano de excepção?

As praxes académicas têm dezenas de anos nas nossas universidades. Este ano sendo um ano excepcional em termos de saúde pública, pelos motivos conhecidos, sou da opinião que estas actividades pelas práticas utilizadas e não respeito das regras sanitárias, deveriam ser canceladas. Num ano excepcional, medidas excepcionais. Sugiro que as autoridades responsáveis (Ministério do Ensino Superior, Associações académicas, etc) ponderem as vantagens versus desvantagens desta prática, a bem dos nossos jovens e familiares. Por muita rigidez que se imponha nessa prática em termos de cumprimento de regras sanitárias, todos sabemos que o cumprimento das mesmas não se vai concretizar corretamente.
Às autoridades responsáveis e competentes,

Jorge B. Gomes

2020-09-25

Condomínios- movimentação de contas bancárias. Legislação.

Exmo. Senhor.

Resido, tal como muitas outras pessoas , num condomínio nif 901 986 445, em Cascais onde parecem existir indicios de gestão ruinosa e de gestao danosa.

Parece nao existir legislação ou caso exista , parece não ser aplicada pelas entidades bancárias às contas das administrações de condomínio.

Eu, tal como muitas outras pessoas, vivo num condominio, que nao apresentou contas, nao fez alegadamente nenhuma reuniao no ano de 2020, não entregou a todos os proprietários a ata da reuniao do ano de 2019, mas continua a movimentar a conta da administração do condominio no banco ( Novo Banco).

Eu, tal como muitos outros portugueses, gostariamos que existisse legislação, no sentido de proibir a movimentação da conta da administração do condominio, nas entidades bancárias, caso as administracoes de condomínio não apressentassem ate 15 de fevereiro de cada ano, no banco, ata com aprovação, disvussao e apresentação de contas , orçamento aprovado para esse ano e fundo reserva.

Predios com mais de quarenta frações, por exemplo, deviam ter que cumprir modelos contabilisticos e envio de declaração anual para autoridade tributária ate 15 fevereiro de cada ano.

Gostariamos de mais rigor e transparência.

Cordialmente, Luísa Bastos

2020-09-22

Depósitos/cinzeiros instalados em repartições públicas de acordo co o legalmente estipulado

Não obstante, o contemplado na Lei sobre este assunto, consignar a instalação de cinzeiros ou depósitos similares, não tenho observado tal facto. Aliás, atualmente os cidadãos terão que esperar no exterior das instalações para poderem entrar (agendamento presencial) as beatas continuam a depositar-se/serem atiradas para o chão nas imediações de tais serviços. Sugiro que as entidades responsáveis e públicas deem o exemplo e instalem rapidamente tais equipamentos, a bem da higiene e saúde pública.
Com os meus cumprimentos,
Jorge B. Gomes

2020-09-16

Promiscuidade entre política, futebol e outras actividades da vida nacional

Tanto se fala em promiscuidade entre sectores da vida nacional, que as coisas estão num pantano, e não se conseguem ver águas transparentes, mas o facto é que me parece, que as coisas continuam na mesma, ou pelo menos aquilo que se fala como boas práticas, não é exatamente o que acontece na vida real, o que é praticado. Sugiro que de uma vez por todas os agentes competentes e responsáveis, se debrucem sobre este assunto, e que o pantano possa ser mais limpo a bem de todos e da classe política.

2020-09-12

O País não pode parar de novo- depende dos dias. A saúde pública vai ditar isso

Desde o início da pandemia, Portugal e muitos outros países, tiveram que se fechar. Não é desejável que isso aconteça de novo mas tal como o Natal se celebra a 25 de Dezembro, será expectável que o País, veja as regras sanitárias e de proteção se endurecerem num futuro imediato ou próximo. Muitos factores concorrerão para tal estado de coisas, mas um alarmismo exagerado não será de todo desejável. Os cidadãos já preveem que medidas mais duras surjam. Medidas eficazes, sem demagogia, com clareza e objetividade se tiverem que ser impostas devem sê-lo. A saúde pública exige e os cidadãos agradecem. Há meses atrás os profissionais de saúde eram o núcleo essencial para a nossa proteção. Agora continuam a sê-lo e deverão continuar a sê-lo. Sugiro que as lições que foram registadas, e espero que aprendidas, de um passado recente desfavorável a muitos concidadãos, sejam rapidamente revisitadas pelas autoridades competentes e os mecanismos de melhoria de procedimentos e actividades sejam reavaliados, sob pena da nossa incompetência como sociedade moderna e solidária, seja posta em causa.
Meus cumprimentos e à atenção responsável

2020-09-10

Simplificar o modelo de recibos verdes

Boa tarde
Gostaria de fazer uma sugestão

Acho que o modelo de recibos verdes é complicado, injusto e difícil, por isso pensei numa maneira para que trabalhadores a recibos verdes possam receber a remuneração pelo seu trabalho da mesma maneira que um trabalhador por conta de outrem (ou seja, já com os descontos todos feitos).
Para isto pensei numa área na plataforma das Finanças do Governo onde um cliente pudesse fazer o pagamento do serviço ao prestador e quando o dinheiro é recebido já teria todos os descontos feitos. Ou seja, um trabalhador por conta própria recebe o dinheiro do serviço que prestou já "limpo", da mesma maneira que recebe um trabalhador por conta de outro - com todos os descontos já feitos. E assim todos os descontos são feitos sem que o trabalhador por conta própria se tenha que preocupar. Depois tanto o cliente como o trabalhador recebem a fatura no seu e-mail.




Exemplo: eu contrato um arquiteto por 1500 e faço o pagamento deste serviço na área própria das finanças (dedicada a trabalhadores independentes, neste caso o arquiteto). O arquiteto recebe na sua conta 1375, ou seja, recebe o dinheiro com todos os descontos já feitos. Depois tanto eu (cliente) como o arquiteto recebemos a fatura no nosso e-mail.

Penso que esta ideia seria uma maneira de facilitar a vida de quem trabalha a recibos verdes, e tornar mais fácil a maneira de fazer os descontos. A vida já é complicada, mas podemos simplificar o que é possível simplificar.


Muito obrigado pela hipótese de dar a minha sugestão

2020-09-04

A favor ou contra a lecionação obrigatória da disciplina de Educação para a cidadania- a consciência dos interessados é soberana

Nestes últimos dias temos observado uma "disputa" entre os que são a favor e os que são contra. É um tema interessante e algo complexo pela sua génese. À semelhança da não obrigatoriedade dos alunos assistirem às aulas de Religião e Moral, que no passado provocou alguma celeuma, julgo que nesta matéria a consciência individual (encarregados de educação ou dos próprios alunos) é soberana. Será a educação para cidadania nuclear no sistema educativo? Será que sem ela não se formam melhores cidadãos? Sugiro que este assunto seja reavaliado pelas autoridades competentes, analisando-se eficientemente os prós e contras, e deixando-se em última análise à consciência soberana dos interessados, a obrigatoriedade de lecionação dessa disciplina.

Meus melhores cumprimentos, e votos para que a este assunto seja encontrado um equilíbrio adequado.
Jorge Barros Gomes

2020-09-04