Medidas para os senhorios que arrendem quartos ou casas a estudantes que estejam fora do seu ambiente familiar- contraposição aos valores praticados atualmente

Exmos Srs responsáveis pelo processo de decisão do âmbito,

Sabemos que atualmente os precos praticados no arrendamento, quer de quartos , quer de apartamentos, sao significativamente elevados, e constituem um elemento preponderante na decisão para um agregado familiar decidir, se seu filho(a) pode ou não prosseguir os seus estudos.

Por que não se implementar um conjunto de medidas que possam contribuir para o abaixamento dos valores praticados, e possam ser benéficas, tanto para quem arrenda, como para quem quer arrendar.

Assim, algumas possiveis mecidas:
- redução para metade do valor do imposto que o senhorio tem que entregar ao Estado;
- redução do IVA da água e energia para quem comprovadamente tiver arrendado a um estudante ( valor a definir);
- redução do IVA na compra de materiais/ equipamentos para melhoria das condicoes de habitabilidade do alojamento para estudantes;
- outras medidas a ponderar

Os senhorios teriam que proceder ao arrendamento a um preco justo, e nao exageradamente elevado como muitas vezes é praticado, sendo que o Estado teria em colaboracao com as competentes associações de proprietários/ senhorios definirem um valor justo para tal arrendamento de acordo com a tipologia e localização do espaço a arrendar.
Talvez a falta de residencias universitárias pudesse ser colmatada com mecidas justas a serem aplicadas com benefício para ambas as partes.

Sugiro uma reflexão ajustada sobre o assunto

Cumpts,
JMBG

2024-03-24

Diferença entre honens e mulheres em termos salariais- que visão para o futuro.

Está consagrado na constituição que não existe diferenca entre homens e mulheres em termos de direitos e deveres. Julgamos da mais elenentar justiça até com o desenvolvimento atual da socuedade, não deve existir diferenças
Por outro lado , igualmente consignado na CRP,, que trabalho igual, deve ter a mesma compensação financeira. Ora, sabemos que por diversos estudos os homens auferem em média mais 15 a 20% do salário comparativamente aquele que é auferido pelas mulheres, trabalho esse exercido sob as mesmas condições. Sabemos também que maioritariamente em lugares de gestão e decisão encontram-se homens. Seria interessante saber-se por exemplo, que disparidade existe, se é que existe, entre salarios entre homens e mulheres quando são mulheres a exercerem posições/ cargos de chefia e direção.

Não deve de facto, existir qualquer diferença, e tanto mais acentuada como estudos evidenciam, e terá que ser combatida tal situacao de disparidade. Deverá haver uma sensibilização constante nesta matéria e deveriam ser instituídas medidas minimizadoras que reduzissem o efeito prático de tal prática.
Sugere-se de facto, uma politica laboral e de salários que minimize ou elimine, de facto, essa situação.

Com os meus cumprimentos
Juliana Ribeiro

2024-03-24

25 de Abril sempre- nós somos de Portugal, Portugal não é nossa propriedade

Gostaria de deixar uma sugestão de alerta para a nossa sociedade, que atualmente se está a desviar do ideal de solidariedade e boa convivência entre todos. Talvez isso seja fruto das "lutas" politico-partidarias" que cada vez mais são acirradas e não contribuem em nada para o desenvolvimento social e humano. O 25 de Abril deu-se para tornar a sociedade mais justa, evoluida, humana e solidária. Para os cidadãos que como eu nasceram em 1960, o 25 de Abril foi uma esperança, um sinal de determinação para todos. Hoje ouco politicos a mencionarem que o País é nosso. Não sei sinceramente se assom é, ou se nós somos do País, neste caso Portugal. Ninguem é propriedade de ninguém. Portugal já existia antes de nascermos, e irá continuar muito depois de desaparecermos. Seria bom que as lutas partidárias fossem substituidas por lutas solidárias em que fossem colocados para trás os interesses partidários e constituísse m um farol as lutas e agendas para os portugueses como um todo.
Sabemos que isso é uma utopia mas...
Sugiro que com nova assembleia novo governo, nova mentalidade, se possa com determinação se tentar resolver os problemas de habitacao, sem-abrigo, segurança, educação, saúde, violência, etc possam ser enfrentados e solucionados sem ideologias a emperrarem a solução.
O País que é de todos e para todos agradece

Meus cumprimentos
JMBG

2024-03-22

Programas de voluntariado para jovens dos 14 aos 18 anos de idade durante 1 quinzena, pelo menos, no período de ferias de verão

Portugal é um pais em que a maioria da população tem revelado motivação e sensibilização para ações de solidariedade, intervindo um número significativo de voluntários.
Os jovens são por natureza solidários e voluntários.

Seria uma oportunidade interessante serem criados programas/ iniciativas variadas nos quais os jovens pudessem durante um periodo ajustado das suas férias participarem em iniciativas como, por exemplo:
- adote um avô, em lares de seguranca social
- participe na vigilancia as florestas para prevenção e alerta de incêndios florestais
- contribuição no acompanhamento de criancas de creches que vão para a praia neste periodo
- atividades de prevenção de acidentes, em especial em locais como passagem de peões ( passadeiras), saida de creches e escolas etc.
- auxilio a pessoas idosas que vivam sozinhas, e identificadas pelas autarquias, em tarefas rotineiras como ida a farmácia, compra de bens alimentares, marcação de consultas, etc
- identificação de "pontos negros" nos seus bairros, como falta de sinalética, problemas de zonas verdes, verificacao de equipamentos para criancas em areas publicas, etc
- conjunto variado de necessidades que possam ser desenvolvidas pelos jovens no respeito pelas atividades de cidadania

Existem atividades do âmbito já implementadas, mas é necessario serem criadas condições para a pratica rotineira e de certa forma permanente para estas acoes de voluntariado e solidariedade

Sugiro uma análise sobre o assunto
Meus cumprimentos

Juliana Ribeiro

2024-03-22

Programa de sensibilização relativo à importância e necessidade das Forças Armadas nos estabelecimentos de ensino secundário do Pais

Exmas autoridades responsáveis neste domínio, é com certeza um assunto, considerando a situação europeia e mundial de conflitos ao qual deve ser dada uma importância revestida de elevado significado.

As Forças Armadas de Portugal desde o inicio deste século , têm vindo a sofrer reduções muito significativas em efetivos e meios materiais, muitos deles já com um desgaste muito considerável, o que se traduz numa percentagem de alguma inoperacionalidade.
O universo dos nossos jovens são uma fonte potencial de recrutamento que não pode ser monesprezada. Num País em que não existe obrigatoriedade no cumprimento do serviço militar julga-se adequado e oportuno que esse universo seja sensibilizado para a importância do cumprimento de tal servico.
As Forças Armadas estão vocacionadas para tal sensibilização que poderia materializar-se por campanhas/programas de sensibilização junto dos estabelecimentos de ensino secundario, em que os alunos poderiam ser elucidados dos aspetos significativos no cumprimento desse servico à Nação.
As FAs não são mais aquela organização rígida e sem inovacao e tecnologicamente atrasadas. Embora existam vicissitudes de diversa ordem, sao capazes de esclarecerem, e apresentarem com inovação, o tipo de missões que a elas pode ser cometida, em tempo de paz e de conflito.

Sugere-se que não seja perdida uma oportunidade desta natureza, podendo-se sensibilizar um elevado universo de potenciais elementos que possam livremente decidir peli cumprimento do servico militar. Isto é igualmente parte da cidadania que se pretende o mais abrangente possível.

Atentamente,
Jorge M. Barros Gomes

2024-03-21

Exames digitais sim ou não? E o papel? Qusl papel?

Exmos Srs
Discute-se atualmente a realização de exames pela via digital de determinado ano escolar. Será benéfico ou antes pelo contrário? Em primeira análise, acreditamos que este passo que pode configurar algum avanço ou modernidade, talvez possa não ser o mais adequado nesta altura do percurso educativo. Parece-nos que se pide estar a " mascarar" problemas que a escola fisica enferma, com uma decisão arrojada, em que os beneficios podem ser menores que os prejuízos
Temos por este País fora escolas com instalações deficientes, sem estruturas adequadas nas salas de aula, escolas em que as instalações sanitárias são uma desgraça, escolas em que nao existem infraestruturas para a pratica de educacao física, escolas em que não existem funcionarios em numero suficiente para o cumprimento das tarefas ordinárias na escola, escolas onde ainda se verificam falta de docentes em uma ou mais disciplinas, escolas em que os alunos têm que levar cobertores para fazerem face ao frio que se sente no inverno, escolas onde não existem computadores adequados, escolas onde é uma sorte existirem técnicos de informática suficientes, falta de formação aos professores neste dominio, e um sem fim de problemas que se mantêm ao longo das últimas legislaturas. Parece-nos que queremos colocar um equipamento de topo numa casa em que esta está a cair. Não seria adequado e sensato resolvermos ao invés, os problemas permanentes ,
se querer efetuar exames em que o meio pode ser discutível, face aos benefícios para o sistema?

Pensamos que o recurso ao exame em papel ainda pode ser considerada uma boa opção, até porque mesmo que se outro aspeto não fosse importante, a caligrafia dos alunos sairia melhorada. A organizacao da expressao verbal sairia decerto melhorada. O papel dos exames com o recurso aos meios informáticos não se afigura de momento, como uma decisão acertada sendo que noutros paises da europa nao reunem consenso da comunidade.

Sugiro uma reflexão muito cuidada por parte de todos os intervenientes deste processo.

Meus cumprimentos
Jorge Barros Gomes

2024-03-20

Habitação

É inexplicável num período em que há falta de habitações a preços controlados que a Segurança Social tenha 5 andares vagos na rua D. Sancho nº3 em Almada 2800-712. Esta mesma Segurança Social nem vende nem aluga, por esse motivo estão 5 andares vagos a degradarem-se .

2024-03-13

Orcamento para a Defesa Nacional do Estado Português '- revisão impõe-se?

Os acontecimentos atuais exigem uma sensibilização muito cuidada nos assuntos desta natureza. É de facto, um assunto de carater nacional, que infelizmente o Estado português não tem dado a devida atenção ao longo dos anos e respetivos orcamentos
Pensamos que com a atual situacao de conflito internacional, e com as inerentes implicações à seguranca da Europa, a atencao ao reforco do orcamento da defesa nacional deve constituir uma preocupação inequivoca do futuro governo do país.

Nesta conformidade, sugere-se uma reflexão muito cuidada sobre estes aspetos de interesse nacional.
Meus cumprimentos
Jorge Barros Gomes

2024-03-12

Fogos florestais 2024- haverá atrasos no planeamento devido às eleições do parlamento?

Exmos Srs responsáveis e entidades competentes,
Mais 1 ano de fogos florestais se aproxima. Será uma realidade incontornável. Com as eleições para o parlamento e consequente constituição e entrada do novo governo em funções sera de admitir algum atraso que se reflectirá na operacionalização dos meios e dispositivo de prevenção e combate.
Porém, será de não perder o timing para todos os procedimentos e ações necessárias para o efeito.

Sugere-se uma atenção cuidada e celere para o acionamento destes aspetos que mais tarde, ou mais cedo serão decisivos para a prevenção e combate dos incêndios.

Meus respeitosos cumprimentos
Jorge Barros Gomes

2024-03-12

Resultado das eleições parlamentares- análise impoe-se

Exmos Srs
Nestas eleições uma consequência positiva foi a diminuição da abstenção. Outra consequência, foi a votação em partidos politicos usualmente conhecidos dos eleitores, e a votacao em determinados partidos, dos quais não se esperava que alcançassem o número de eleitores que efetivamente conseguiram
Uma analise profunda urge acontecer. Seja por protesto seja por convicção politica ou outra qualquer, o facto é que o povo português manifestou a sua vontade. E essa vontade tem que ser respeitada. Os partidos convencionais não têm sabido cumprir as promessas.

Sugere-se uma analise profunda destas eleicoes

2024-03-12