Construção da linha de alta velocidade Porto-Lisboa: custos e prioridades nacionais

Exmos Srs,
nestes últimos dias fomos confrontados com uma notícia, que já não é nova (última data de 1999), sobre a construção dessa infraestrutura e os custos e obras associadas. Somos um país pequeno. Do Porto a Lisboa, distam pouco mais de 300kms. A rede viária é boa, a rede ferroviária é igualmente boa, e salvo melhor opinião, não me parece que um investimento tão avultado e que talvez nem se concretize na totalidade, não deva ser a prioridade neste momento. Estamos no meio de uma crise económica, laboral, social e sanitária, e as prioridades nos investimentos devem ser muito bem avaliadas e ponderadas. Quando tanto falta na saúde, na segurança social, nos investimentos, na competitividade e nas exportações, talvez este não seja o melhor anúncio a ser feito, no momento atual. Sugiro que as prioridades sejam bem definidas, que as áreas de investimento sejam reanalisadas para que no futuro, não seja um "tiro na água",
Meus melhores cumprimentos,

JBG

2020-10-23

Higiene/tratamento oral dos portugueses- iniciando-se nos mais jovens, colocação de técnicos nas USF e maior cobertura pelo SNS

Exmos Srs,
a higiene oral e posterior tratamento, é de sobeja importância para a vida saudável dos portugueses pelas implicações negativas que pode ter para a saúde das pessoas, caso esta área não seja tida em consideração. Ainda existe uma grande falta de dentistas a operarem no SNS, começando pelas USF e outros centros. Existindo em grandes centros hospitalares, a possibilidade de atendimento/consulta externa é muito demorada. Os preços são relativamente baixos, comparando com a medicina exercida no setor privado, que existe em relativa abundância, mas pratica preços elevados para a maioria das familias portuguesas, e ainda mais nesta altura de crise económica e social. A saúde oral contudo, tem que ser assegurada e continuada. Os portugueses carecem, e isso é do conhecimento comum, de uma boa saúde oral. O SNS começando pelas USF e outros centros deverão ser contempladas com técnicos em número adequado e a cobertura deverá ser ampliada. O serviço de estomatologia deverá ser reavaliado/reanalisado nos grandes centros hospitalares por forma a cobrirem um maior número de pessoas, se necessário. Continue-se com um programa de cheques dentista mais abrangente e efetivo, ou outro adequado à realidade. Nesta medida sugiro que seja dada uma elevada importância a esta área da saúde dos portugueses, e que haja de facto um programa de rastreio/acompanhamento nesta área para se melhorar a saúde oral dos portugueses, começando na mais tenra idade até à 3ª idade.

Meus melhores cumprimentos,
Marcia Gomes

2020-10-21

Rumo à descarbonização- Veiculos elétricos- compensações, isenções, reduções para incentivar a troca das atuais viaturas por elétricas

É dito que Portugal se encontra bem colocado no conjunto de países que já tem uma frota significativa de veiculos elétricos. A tecnologia vai sendo melhorada, as baterias aumentam a autonomia, mas os preços para compra desse tipo de veiculos, continuam elevados para a maior parte das famílias portuguesas. Até se pode ter o desejo de trocar as frotas atuais por outras elétricas mas o custo é alto. Existem inúmeras vantagens de utilização desse tipo de veiculos, seja carros, seja motociclos. Sugiro que responsavel e adequadamente, os organismos responsáveis e intervenientes analisem e alterem, em prol do comprador, tudo o que tem a ver com compra de novos veiculos e que possam melhorar a troca das viaturas convencionais (gasolina/diesel), para que seja observado um verdadeiro incentivo pelos potenciais compradores.

À consideração,
MG

2020-10-21

Eliminação/redução da população sem abrigo nas nossas cidades e vilas- que estratégia e medidas práticas

Exmos Srs,
esta temática tem sido amplamente debatida e até pelas altas hierarquias do estado. Os media têm feito a cobertura deste assunto, embora somente em tempos de família (Natal, Páscoa, fim de ano, etc), se veja uma cobertura mais relevante. Com a atual situação de pandemia, é do conhecimento geral que o número de sem abrigo aumentou. É vergonhoso uma sociedade moderna, que se diz inclusiva, solidária e ter um conjunto destes nossos concidadãos a viverem em condições sub-humanas. Afinal quando é que se pretende erradicar ou minimizar significativamente esta situação? Sugiro que com muita coerência, responsabilidade e solidariedade, todas as entidades responsáveis estabeleçam objetivos e metas, que aloquem os devidos recursos, e definam uma estratégia visível para o combate a esta situação negra.

Meus cordiais cumprimentos,
JBG

2020-10-21

Meios de transporte em tempos de Covid

Nos tempos que correm e com a necessidade da aplicação do distanciamento entre a população, é lamentável que o estado não esteja a tomar medidas no sentido de assegurar uma maior segurança á população na utilização dos transportes públicos, estes estão cada vez mais lotados e onde claramente não são cumpridas as medidas de distanciamento social, isto fomenta a propagação do viros e o aumento dos casos na sociedade.
Sabem a quantidade de autocarros de turismo que neste momento, em Portugal, estão para venda em diversas plataformas online? Sabem a quantidade de empresas de turismo que faliram?
A minha sugestão ... pegar nas empresas de turismo que detêm estes autocarros e respectivos motoristas, pedir ajuda, um pequeno mas grande contributo para a sociedade.
Abrir um concurso publico onde empresas de turismo com autocarros se possam candidatar e assim criar carreiras de serviço ocasional, que cubram carreiras e/ou mesmo trajectos de metro e comboio, assegurando assim a o aumento do conforto da população nas suas deslocações, minimizando os contágios e optimizamos o espaço e o conforto nos transportes.
Em vez do estado estar a pagar layoff's as empresas ou paragem total de actividades económicas a motoristas, paga sim mas estes passam a assumir uma missão muito mais importante na sociedade, a missão de ajuda.
Isto minimiza falências de empresas e gera postos de trabalho.

2020-10-16

Captação pelas empresas de desempregados com idade entre 50 e 60 anos com compensações em termos de contribuições fiscais

A atual situação obrigou a que muitas empresas tivessem que dispensar muitos dos seus colaboradores, e alguns deles em idades um pouco avançadas para entrarem no mercado de trabalho de novo. A experiência adquirida, o conhecimento de rotinas em ambiente de trabalho, a responsabilidade, a integração em ambiente de trabalho etc, irá ser perdida, e fará que o funcionário entre em situações depressivas, e muitas vezes situações inultrapassáveis em termos pessoais e familiares. Proponho que as empresas "saudáveis" economicamente, e até pela função social que está na sua matriz, pudessem captar um determinado número de funcionários nestes escalões etários, face às suas competências, e que com essa admissão, pudessem ser objecto de uma redução muito significativa de contribuições fiscais, promovendo uma melhoria das condições de vida emocionais e económicas de tais cidadãos.
Meus melhores cumprimentos
JBG

2020-10-16

Novas medidas contra contágio pelo COVID SARS 2- atuação de grupos de mais baixo escalão etário

É do conhecimento geral, que novas medidas vão ter que ser implementadas e deverão ser respeitadas a bem da saúde pública e familiar. Seja qual for o Governo que tenha que decidir e implementar estas medidas, a situação nunca será fácil. Mas julgo que teremos que respeitar escrupulosamente tais imposições. Se os jovens (entre 20 e 40) são o grupo que preocupa, então que se faça propaganda "agressiva" sobre este assunto, para prevenção e contenção da propagação do virus. Hà 30 anos atrás vivemos o surgimento da SIDA. Foi feita propaganda "agressiva" para sensibilizar os jovens. Nos maços de tabaco podemos observar tal tipo de propaganda, até com fotos que sensibilizam quem as observa. Sugiro que as autoridades responsáveis planeiem ações de sensibilização, para prevenir e conter a propagação do virus, em especial entre o grupo etário mais jovem e mais preocupante, seja através de spots televisivos, internet, outdoors, etc mas que isso seja feito com urgência e oportunidade.
À consideração das autoridades competentes e responsáveis,

JBG

2020-10-14

Transparência ou não, no interior de estabelecimentos de ensino, quanto à existência de casos de infeção pelo COVID 19

Tem-se vindo a ter conhecimento de casos de infeção nos estabelecimentos de ensino deste País. O ME e a DGS, em coordenação, presumo eu, criaram protocolos de tratamento em caso de suspeita de infeção pelo COVID 19 em ambiente escolar. A comunidade escolar tem que estar protegida, e sobretudo numa faixa de professores com avançada idade e portadores de doenças diversas, parece-me que o princípio da prevenção e cautela, deve ser a prioridade. Parece que existem escolas que não obstante, algum dos seus alunos estar infectado, não assumem o caso com a gravidade com que deve ser assumido, pois em meu entender deverá ser assumido como se de infeção se tratasse, e tentam não revelar essas suspeitas para provavelmente não causar alarme. Relembro que muitas vezes quando revelam o caso, já o vírus se propagou por um número enorme de elementos da comunidade. Aqui trata-se de atuar preventivamente e com oportunidade, As direções dos estabelecimentos e os encarregados de educação têm um papel fundamental na preservação da saúde comunitária. Sugiro que seja revisitado este assunto, validarem-se os protocoloes existentes, alertar-se em tempo, testar-se adequadamente e informar-se com oportunidade. A saúde e vida estão acima de qualquer evidência.

À atenção responsável,

JBG

2020-10-10

Drones fabricados por empresa portuguesa operam em França e drones da Força Aerea Portuguesa inoperacionais em solo português

Este tipo de equipamentos com utilização militar e/ou civil são de extrema importância para quem os possui, e têm inúmeras vantagens. Este ano, com a calamidade anual dos incêndios, era esperado que os drones a operarem sob responsabilidade da FAP, tivessem um desempenho bastante razoável, pela economia de meios e abrangência territorial. Mau grado, antes do final da época de incêndios, tais equipamentos foram remetidos para hangar. Uma empresa portuguesa fabrica, vende e exporta para o estrangeiro, onde parece que estáo a ter um bom desempenho. Sugiro que este assunto seja reavaliado, analisado com profundidade e se retirem as lições devidas destas situações (más e boas) para que, pelo menos para o ano de 2021, sobretudo a partir de Maio, ou antes caso seja necessário, a FAP disponha de euipamentos a serem operados com 100% de eficiência e aficácia.

Melhores cumprimentos,

JBG

2020-10-10

Eleições Presidenciais e emigrantes

Exmos/as Senhores e Senhoras Membros da Assembleia da República Portuguesa,

Venho por deste meio, e como emigrante, perguntar se será possível mudar o prazo limite de registo em consulado para se poder adicionalmente registar como eleitor/a, para ter em consideração a situação Mundial actual? Vivo em Berlim e de momento não é possível facilmente ir ao consulado, apenas por marcação, e as mesmas estão com número limitado. Fiz marcação hoje para me registar no Consulado Português nesta cidade (de momento estou no de Manchester, Inglaterra) , mas apenas me será possível no dia 23 de Novembro ter possibilidade de ser atendida. Penso que esta data é depois do mínimo de 60 dias úteis até às eleições Presidenciais em Janeiro (não se sabendo ainda o dia)? Peço por isso que advirtam outros/as emigrantes sobre este prazo e adiar por 1 mês as eleições, ou relaxar o período ante eleições para tal registo.

Se mais informação desejar, por favor não hesite em me contactar ou por email ou por telefone 91 239 3842.

Muito obrigada pelas atenção dada a esta mensagem que penso ser de importância para muitas outras pessoas que vivem fora de Portugal mas que pretendem votar!

Com os melhores cumprimentos,
Vera Assis Fernandes, PhD
Geóloga Lunar

2020-10-09